“Numa obscuridade sem esperanças, sem hipóteses”. O topos da morte na prosa de Ada Negri